Mayara Wal
19/02/15

Design contra o desperdício

Desperdício de comida é um problema há muito presente no mundo. Lendo sobre o assunto me deparei com um projeto que propõe uma solução um tanto quanto controversa. Paul Gong, estudante do mestrado de Design da Interação na Royal College of Arts,em Londres, propõe que ao invés de modificarmos a comida devemos modificar o corpo humano, para que se adapte a ingerir alimentos que hoje não são considerados bons para consumo.

Human-Hyena-by-Paul-Gong

O projeto de Paul estuda o comportamento dos animais que se alimentam de carniça e tem como foco um grupo específico de pessoas que se preocupam com o desperdício, chamados por ele de “Human Hyenas”. A proposta envolve uma modificação no sistema digestivo assim como em todo o processo da alimentação, como olfato e paladar. Primeiro se criaria uma bactéria que viveria no sistema digestivo humano e seria responsável pela digestão da comida estragada. O designer desenvolveu um “inalador” que tem o formato de um cachimbo, que serve para aspirar as bactérias para dentro do estômago. Para adaptação do olfato e paladar, ele propôs o uso das já conhecidas “miracle berries” geneticamente modificadas, que tem a função de alterar a percepção de odor e paladar de alimentos deteriorados. Assim tornaria os alimentos agradáveis para consumo.

Human-Hyena-by-Paul-Gong

A principio o projeto “Human Hyenas” pode não parecer viável, mas o questionamento que traz e notável: quanto nós estamos dispostos a nos modificar para solucionar um problema que está tão presente?

Imagens: Andrew Kan

Via Dezeen